Agronegócio troca 1 milhão de trabalhadores por 1 milhão de tratores em 11 anos
De acordo com o Censo Agro 2017 do IBGE, caiu de 84,4% para 77% número de estabelecimentos classificados como de Agricultura Familiar em 11 anos. Uso de agrotóxicos aumentou 20,5% no período

Em 11 anos, os estabelecimentos agropecuários fecharam 8,8% dos postos de trabalho, atingindo 1,5 milhão de trabalhadores e trabalhadoras, enquanto o número de tratores cresceu 49,9%, chegando a 1,22 milhões de unidades.

Os dados são Censo Agropecuário 2017, divulgado nesta sexta-feira (25), pelo IBGE que contou 5.073.324 estabelecimentos agropecuários no Brasil,  redução de 2% em relação a 2006, e crescimento de 5,8% na área ocupada, o equivalente a 351.289.816 hectares.

De acordo com o Censo, cerca de 77% dos estabelecimentos (3.897.408)  classificados como de Agricultura Familiar ocupavam uma área de 80,9 milhões de hectares, ou 23% da área total os estabelecimentos agropecuários do país. Em 2006, a agricultura familiar respondia por 84,4% (4.367.902 ) dos estabelecimentos agropecuário.

Os dados também mostram que a Agricultura Familiar reduziu ainda mais o quadro de trabalhadores e registrou menos 2.166 milhões de pessoas no período.  

Agrotóxicos

Cerca de 1,7 milhão de produtores informaram ter utilizado agrotóxicos em 2017, um aumento de 20,5% em relação a 2006.

Em 2017, cerca de 34% dos estabelecimentos que declararam despesas com agrotóxicos tinham 5 ha ou mais de área de lavouras. Estes estabelecimentos concentravam 94% da despesa com agrotóxicos.

Na série histórica dos censos agropecuários, esse número variou bastante, chegando ao seu ponto mais alto (quase 2 milhões) em 1980, e ao nível mais baixo (quase 1,4 milhão) em 2006.

Raça

Pela primeira vez, o Censo Agro investigou a cor ou raça dos produtores e descobriu que 52,8% eram pretos ou pardos e 45,4% eram brancos, numa distribuição semelhante à da população do país, segundo a PNAD Contínua.

Já a participação de mulheres e idosos de 65 anos ou mais na direção dos estabelecimentos aumentou, chegando a, respectivamente, 18,7% e 23,2%. Em 2006, as mulheres representavam 12,7% dos produtores e os idosos, 17,5%.

Aumenta 143% a contratação de mão de obra com intermediação de terceiros

A mão de obra contratada através da intermediação de terceiros, como empreiteiros, cooperativas de mão de obra e empresas, passou de 251.652 pessoas, em 2006, para 611.624 em 2017. Foi um crescimento de 143%.

Dentre as modalidades de contratação, a mais frequente foi a de contratação através de empreiteiros, com 497.247 estabelecimentos contratando mão de obra, dessa forma, ou 9,8% do total. Essa modalidade de contratação cresceu 108% em relação a 2006. 

Área irrigada em estabelecimentos cresce 48%

Em 2017, 502.379 estabelecimentos agropecuários disseram usar algum método de irrigação, enquanto o total da área irrigada no país foi de 6,69 milhões de hectares. Em relação ao Censo Agropecuário 2006, observou-se um aumento de 52,6% no número de estabelecimentos com irrigação em suas terras e de 48% na área irrigada.

Proporção de produtores que receberam orientação técnica cai para 20,1%

Diminuiu de 22% para 20,1% a proporção de produtores que receberam orientação técnica. Em 2017, 1.025.443 produtores agropecuários declararam receber assistência técnica, correspondendo a 20,1% do total, uma proporção menor que a de 2006, quando havia 1.145.049 estabelecimentos que recebiam orientação técnica (22% do total).

Mais dados na página do IBGE. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Filiado à:

©2019 SINTRAE-SUL
Todos os Direitos Reservados.